terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Três grandes empatam, mas... de forma diferente!

Quem viu os três jogos em que entraram os três grandes este fim-de-semana, encontra uma semelhança clara que foi a fraca prestação durante grande parte do jogo.

Mas depois há as diferenças que me parece interessante assinalar:
  • A Académica não teve 1 oportunidade de golo!
  • O Sporting marcou 2 golos limpos, um de Liedson outro de Postiga que não foram considerados.
  • O Marítimo contra o Porto e o Nacional contra o Benfica tiveram as melhores oportunidades de golo!
  • Em Alvalade não houve qualquer jogada polémica contra o Sporting!
  • No Dragão ficam 2 penaltis por assinalar contra o Porto. Empurrão de Rolando e mãos de Bruno Alves.
  • Na Luz, antes da polémica que é favorável ao Benfica, Miguel Victor agarra um avançado do Nacional que ia entrar na área isolado e nada foi marcado. Fica um livre directo à entrada da área por marcar e consequente expulsão do defesa.
  • Também na Luz há um golo anulado ao Benfica por bola na mão do mesmo Miguel Victor que já não devia estar em campo.
  • No Dragão o árbitro teve problemas no túnel e o motorista da equipa de arbitragem foi agredido.
  • Na Luz o árbitro teve problemas no túnel, mandou identificar alguém que lá estava para o ofender e expulsou Nuno Gomes por insultos, situação que é assumida por Pedro Henriques aos microfones da Antena 1.
  • Em Alvalade o árbitro saiu sem problemas pelo túnel, não mandou identificar ninguém, não expulsou ninguém e não houve agressões.
  • Na análise de Jesualdo ao jogo o que fica é uma boa exibição (dicutivel) do F. C. Porto e muitos golos perdidos que poderiam ter dado a vitória.
  • Na análise de Quique ao jogo fica a ideia que o Benfica fez o suficiente (dicutivel) para ganhar e que o árbitro não deixou.
  • Na análise de Paulo Bento ao jogo fica a ideia que o Sporting desperdiçou a primeira parte do jogo, por ter jogado mal.

Estas diferenças são factos e por isso pouco discutíveis, que poderiam ter consequências directas na classificação das equipas e na cabeça dos jogadores, na atitude dos técnicos e dos adeptos.

1 comentário:

Ricardo disse...

Confesso que nunca li Saramago!!!!!
Mas ao ler a sua crónica, fico a pensar se ela não é um excerto do "ensaio sobre a cegueira"? É?
Quanto a mim os responsaveis da liga deviam ler a sua crónica e depois chorarem de comoção e num acto de (mais do que merecida) justiça dar mais 2 pontos ao Sporting! Para não falar em colocarem uma estátua ao Paulo Bento e ao Soares Franco, em homenagem aos seus altos préstimos à nação futebolistica.
Eu só não concordo com um ponto da sua crónica (sim estou a ser irónico!!!)
Antes do Miguel Vitor ter cortado claramente a bola com a mão, antes mesmo, de ter cometido falta grosseira e ter sido expulso; Este malandro faltou a uma aula de religião e moral, e foi jogar à bola. Foi nesse acto de vilanagem, que ganhou o gosto pelo pontapé na bola. A culpa está, como facilmente se prova, na escola que não o controlava e na nossa justiça, que não pune convenientemente os infractores.
Se assim fosse este malandro teria passado 4 ou 5 anos na prisão e assim não teria tido a oportuidade de um dia ter entrado em campo num jogo contra o nacional da Madeira. escola.